quarta-feira, 18 de janeiro de 2017

Campanha sobre crianças transexuais gera revolta.

COMPARTILHE
Desenhos de crianças nuas com genitálias expostas foram colocados em ônibus e estações de metrô na Espanha. Eles fazem parte de uma campanha contra “discriminação sexual”. Na mensagem, posta abaixo das figuras, lê-se: “Há meninas com pênis e meninos com vagina. É simples assim. A maioria deles sofre diariamente, porque a sociedade não conhece essa realidade”.
Os 150 cartazes com o desenho de quatro crianças nuas e sorrindo ficaram expostos entre 10 e 16 de janeiro. Eles foram espalhados em ônibus e estações de metrô nas comunidades autônomas (Estados) do norte da Espanha: País Basco e Navarra.

A promoção foi da organização Chrysallis, que reúne famílias de menores transexuais. Eles dizem que pretendiam dar visibilidade à situação e combater o preconceito contra essas crianças.

A reação do público foi negativa. Alguns cartazes foram rasgados e sobre outros foram desenhados um pênis e uma vagina para “corrigir” o desenho. Beatriz Sever, porta-voz da Chrysallis, justifica: “Só um grupo bem pequeno da sociedade rejeitou a campanha. Não tem nada de ofensiva. São corpos de crianças, é parte da natureza”.

Porém, grupos cristãos fizeram protestos por causa da imposição da ideologia de gênero. A organização Centro Jurídico Tomás Moro encabeçou um abaixo-assinado digital contra a campanha chamado: “No transporte público, se fomenta a corrupção de menores”. Nos primeiros dias, quase 10 mil assinaturas foram recolhidas e a petição será entregue ao Promotor para Assuntos de Menores do País Basco.

O grupo planeja levar uma denúncia formal à Justiça. Exige também que a Chrysallis esclareça de onde tirou as informações dos cartazes, segundo a qual “a taxa de tentativa de suicídio entre adultos transexuais a quem foi negada sua identidade durante a infância é de 41%”.

O advogado Javier María Perez-Roldón, membro do Centro Jurídico Tomás Moro, faz o alerta que a campanha é “ilegal e enganosa”. Relatou à BBC que o grupo que ele representa considera “inadmissível a hipersexualização da conduta de menores mediante campanhas juridicamente inadmissíveis e moralmente reprováveis”.

O pedido encaminhado à Promotoria é que os cartazes sejam retirados, além de investigar e punir “os responsáveis pela corrupção de menores”. Com informações Gospel Prime

0 comentários:

Postar um comentário

FALE CONOSCO

Nome E-mail * Mensagem *

Se Jesus voltasse hoje você subiria?