sábado, 30 de abril de 2016

Eu sei que vai dá errado, mas eu faço.

COMPARTILHE
Tomamos decisões que já sabemos o resultado e mesmo sabendo dos riscos e da certeza que vai da errado insistimos em continuar, como entender essa teimosia? Paulo já tinha falado sobre essa loucura que mora dentro da gente em Romanos 7.19 Porque não faço o bem que quero, mas o mal que não quero esse faço. E isso soa muito estranho quando nos olhamos no espelho a conclusão que podemos tirar dessas situações é que, somos completamente dependentes da graça de Deus que é um favor imerecido e que podemos mergulhar o quanto mais fundo possível.
Sempre estaremos nesse dilema, o conselho que dou é ter muito cuidado com as escolhas que fazemos às vezes elas são tão estúpidas que até o Diabo dúvida que poderíamos ter escolhido justamente aquele erro tão visível, uma coisa você pode ter certeza é que, enquanto Cristo não voltar temos a oportunidade de melhorar nossos caminhos e nossas escolhas também, não estou dizendo que podemos está errando e desagradando a Deus porque estamos debaixo da graça, só estou dizendo que Ele sabe que somos pó e temos essa terrível tendência em errar, e que por Ele saber sempre vai estar de braços abertos para nos dar novas oportunidades. Podemos acertar o caminho ou continuar errando pra sempre e no final ir morar com o diabo e seus demônios uma péssima opção essa, mas também podemos contar com a ajuda do Espírito Santo e mudar de vida e é claro a melhor opção, morar com Jesus Cristo no céu, essa opção da até um alivio na alma.

Mas como fazer pra mudar essa situação de mesmo sabendo que vai dá errado ainda temos a capacidade ou burrice de ainda cometer o erro? Somente com a ajuda do Espírito Santo que trabalha em nos a santificação. Deixe esse super amigo  trabalhar dentro de você, você não vai se transformar em um santo sem pecados, mas com a ajuda dele você vai colocar um sorrisão no rosto de Jesus.

por Rinaldo Ribeiro
Geração Jovem

0 comentários:

Postar um comentário

FALE CONOSCO

Nome E-mail * Mensagem *

Você se sente acolhido pela congregação que faz parte?