segunda-feira, 14 de abril de 2014

Dons de Revelação - Ev. José Roberto A. Barbosa

COMPARTILHE
INTRODUÇÃO
Os dons de revelação são classificados dentro dessa terminologia porque estão relacionados ao conhecimento. Mas tal ciência não depende de atributos meramente humanos, ditos naturais, mas de Deus, que sobrenaturalmente, descortina o desconhecido. Na aula de hoje aprenderemos sobre os seguintes dons de revelação, conforme listados por Paulo em I Co. 12.8-: palavra de sabedoria, palavra de conhecimento (ciência) e discernimento de espíritos.
1. PALAVRA DE SABEDORIA
Existem diferentes tipos de sabedoria, a sabedoria satânica, geralmente empregada para o engano, com propósitos malignos. A principal característica da sabedoria satânica é a inveja, e o sentimento faccioso, que resulta na desunião (Tg. 3.14-16). Satanás teve a pretensão de ser maior do que Deus, e de competir com Ele em posição (Ez. 28.12-17). Depois que Deus colocou Adão e Eva no jardim, Satanás semeou a dúvida no coração dos primeiros pais (Gn. 3.1), e os conduziu para a queda (Gn. 3.4,5). Existe também a sabedoria humana, resultante da investigação, na verdade, a sabedoria se distingue do conhecimento. Este se caracteriza pelo acúmulo de informações, enquanto que aquele diz respeito à aplicação apropriada do conhecimento. É nesse sentido que os autores de Provérbios encaminham seus leitores à obediência, no temor do Senhor, como princípio da sabedoria (Pv. 4.7). É essa mesma sabedoria que Tiago diz que Deus dá a todos aqueles que O pedirem, e a buscam (Tg. 1.5). O dom de sabedoria (gr. logos sophia), na instrução de Paulo aos coríntios, é uma manifestação por meio da qual Deus responde, através dos lábios do crente, a uma necessidade de orientação, que não pode ser realizada pelos meios naturais. A liderança da igreja pode conduzir o rebanho com a sabedoria que vem do alto, para solucionar um problema, tal como aquele que resultou na escolha dos diáconos para o serviço na igreja (At. 6.1-3,10). Por isso esse dom é manifesto através de uma palavra, isto é, de uma expressão, que nos é intuída, sobrenaturalmente, diante de um acontecimento e/ou interrogação. As respostas que Jesus deu aos seus opositores, durante seu ministério público, exemplificam a manifestação desse dom. Aos ser interrogado pela mulher samaritana, a respeito do lugar correto para a adoração, Jesus responde que os verdadeiros adoradores são buscados por Deus, e que esses o fazem em espírito e em verdade (Jo. 4.24). Existem várias passagens, ao longo dos evangelhos em que Jesus se utiliza da palavra de sabedoria: 1) pedido de partilha da herança ao irmão (Lc. 12.13); 2) indagação sobre a validade do batismo de João (Mt. 21.25); 3) questão a respeito do pagamento de tributo a Cezar (Mt. 22.21). e 4) debate sobre a ressurreição dos mortos (Mt. 22.32). Deus pode usar os irmãos da igreja para responder às perguntas de crentes e descrentes diante de situações adversas, assim como fez com Filipe, quando questionado pelo Eunuco, a respeito da salvação (At. 8.26-30).
2. PALAVRA DE CONHECIMENTO
Esse dom diz respeito à ciência, ao conhecimento de algo em ocorrência, ou que está para acontecer. Trata-se de uma manifestação de consciência que não poderia ser sabida pelas vias naturais, por meio de investigação ou pesquisa. Esse conhecimento não é educacional, resultado de estudos, nem mesmo o bíblico. Evidentemente não devemos nos opor à análise do texto bíblico, uma exegese apropriada evita equívocos interpretativos, e o surgimento de heresias no seio da igreja. Afinal Deus é a fonte do conhecimento espiritual, ninguém pode saber quem Ele é a menos que Ele mesmo queira se revelar (I Co. 2.4; 13.9). Quando estamos estudando a Bíblia, considerando os princípios de interpretação, dependendo do Espírito Santo, estamos conhecendo o que nos foi revelado na Palavra, que é inspirada pelo mesmo Espírito (II Tm. 3.16). Mas o dom da palavra do conhecimento (gr. logos gnoseos) é uma expressão instantânea resultante de uma revelação do Espírito (I Co. 12.8). Devemos partir do pressuposto que Deus é onisciente, que por esse motivo Ele conhece todas as coisas. É possível identificar exemplos no ministério de Jesus da manifestação da palavra de conhecimento. Ele tinha revelação de fatos que estavam ainda por acontecer, não precisava que alguém lhe dissesse determinados assuntos, nem mesmo a respeito das pessoas (Jo. 2.25). Jesus conhecia seus discípulos, por isso revelou-lhes que Lázaro estava doente, mas que tal enfermidade não seria para morte (Jo. 11.4-11). Os discípulos questionaram a respeito da Sua morte, mas Ele sabia, desde o princípio, que se fazia necessário padecer, morrendo e ressuscitando dentre os mortos (Mt. 16.21). Antes da páscoa Jesus enviou Seus discípulos a uma aldeia, a fim de trazerem um jumentinho, no qual adentraria a cidade de Jerusalém (Mt. 21.2). Ele os enviou também para prepararem o lugar da páscoa, dando orientações a respeito, que fora encontrada tal como Ele os dissera (Lc. 22.8-13). Quando Jesus encontrou Pedro, identificou-o como um futuro pescador de homens (Lc. 5.8-10; Jo. 1.42). Também se expressou em relação a Natanael como um homem em que não havia dolo (Jo. 1.47). Na conversa com a mulher samaritana, Ele revelou que ela tinha cinco maridos e o que tinha naquele momento não lhe pertencia (Jo. 4.18,18). Antes de ser crucificado, após ter sido preso pelas autoridades, Jesus antecipou a Pedro que este o trairia (Lc. 22.34). Como Cristo decidiu esvaziar-se da Sua glória (Fp. 2.7), não da divindade, fez a opção de depender do Espírito Santo em Seu ministério terreno, atuando através da capacitação do Espírito Santo (Lc. 4.1,18).
3. DISCERNIMENTO DE ESPÍRITOS
O dom de discernimento de espírito é uma capacitação sobrenatural, dada pelo Espírito Santo, para identificar manifestações que não procedem de Deus. Nada tem a ver com o julgamento humano, partindo de critérios analíticos, fundamentados na psicologia. Há quem pense que o dom de discernimento de espírito serve para identificar as falhas dos outros, ou que é uma antecipação do pensamento alheio, com base em técnicas humanas e/ou satânicas. O dom de discernimento de espíritos (gr. diakrisis pneumaton) é uma habilitação sobrenatural que permite a identificação da natureza e do caráter dos espíritos. Não podemos esquecer que Satanás pode se transformar em anjo de luz, para difundir o engano inclusive dentro da igreja (II Co. 11.14). Estamos diante de uma batalha espiritual, portanto, precisamos estar preparados, inicialmente com toda armadura de Deus, para vencer as hostes celestiais do Maligno (Ef. 6.11,12). Para tanto devemos cingir os lombos com a verdade, vestir a couraça da justiça, calçar os pés com a preparação do evangelho da paz, o escudo da fé, o capacete da salvação e a espada do Espírito (Ef. 6.13-17). Precisamos, para vencer as hostes satânicas, permanecer atentos quanto ao “espírito que agora atua nos filhos da desobediência” (Ef. 2.2). E saber que o espírito do Anticristo, está presente no mundo (I Jo. 4.1-3). Existem manifestações desse dom no ministério de Cristo, Ele revelava que seus opositores agiam pelo espírito do Diabo (Lc. 13.11-16), que algumas enfermidades eram provenientes de opressão maligna (Mt. 12.22; Mc. 9.25; Lc. 8.29). Paulo, que foi usado pelo Espírito para revelar que havia um espírito de adivinhação em uma jovem em Filipos (At. 16.16-18), admoesta os crentes, através de Epístola a Timóteo, quanto às falsas doutrinas dos últimos dias (I Tm. 4.1). O engano na igreja pode ser identificado através do ensinamento bíblico, por isso Paulo instrui Timóteo a ensinar (I Tm. 4.11). Mas em alguns casos, de modo sobrenatural e instantâneo, o Espírito Santo pode capacitar a igreja a identificar uma atuação enganosa. Isso evita que a igreja seja conduzida ao erro, e se deixe levar pelo ensino dos falsos mestres, que querem desvirtuar o rebanho de Deus (At. 20.30).
CONCLUSÃO
Os dons de revelação são imprescindíveis para a igreja cristã, por meio deles somos capacitados, sobrenaturalmente pelo Espírito Santo, para responder às indagações que nos são postas, através dos opositores da fé. Esse mesmo Espírito também pode nos capacitar para conhecer realidades que não poderíamos pelas vias naturais. Isso importante para demonstrar, para os descrentes, que Deus conhece todas as coisas. Por fim, o Espírito Santo, em algumas circunstâncias, pode dar aos crentes a capacitação para identificar o engano, evitando, assim, que sejamos desencaminhados pelos falsos mestres, que são guiados por Satanás e suas hostes celestiais.
BIBLIOGRAFIA
SOUZA. E. A. de. Nos domínios do Espírito. Rio de Janeiro: CPAD, 1987.
WIGGLESWORTH, S. On spiritual gifts. New Kensisington: Whiteker House, 1998.
Publicado no Blog Subsídio EBD 

0 comentários:

Postar um comentário

FALE CONOSCO

Nome E-mail * Mensagem *

Se Jesus voltasse hoje você subiria?