quinta-feira, 13 de fevereiro de 2014

Nova pesquisa mostra que terremoto na crucificação gravou rosto de Jesus.

Objeto de constante debate entre estudiosos e religiosos, o sudário de Turim, ou “Santo Sudário” já foi tema de muitos artigos científicos e livros. Diferentes teorias foram criadas para se afirmar ou combater a veracidade da peça que teria envolvido o corpo de Jesus após sua morte na cruz.
Medindo cerca de 4,5 metros de comprimento, o tecido de linho do sudário passou a ser notícia desde que o estudioso Secondo Pia fez, em 1898, uma fotografia do pano. O negativo revelou uma imagem que quase não pode ser vista a olho nu: um homem de 1,83 metros de altura com feridas que seriam consistentes com as causadas pela crucificação. Contudo, estudos por datação de radiocarbono realizados em 1988 apontaram que a idade do tecido seria da Idade Média, entre 1.260 e 1.390 d.C.
Esta semana foi publicada na revista “Meccanica”, uma nova pesquisa do Instituto Politécnico de Turim, na Itália. A tese é que um poderoso terremoto, de 8,2 na escala Richter, ocorrido em 33d.C pode ter causado uma reação atômica que seria responsável pela imagem vista no sudário.
A possibilidade de comprovação de que o sudário de fato é do ano 33 causou grande debate entre os religiosos católicos. O Vaticano não tem opinião oficial sobre o assunto.
O tremor ocorrido em Jerusalém teria sido forte o suficiente para liberar partículas de nêutrons das britas. No intuito de provar sua tese, os pesquisadores fizeram uma simulação do terremoto, esmagando amostras de rochas frágeis. Essas emissões de nêutrons podem ter gerado um efeito similar ao raio-X no pano de linho, por causa das reações com núcleos de nitrogênio.
Segundo os cientistas do Instituto Politécnico, essa radiação pode ter confundido os testes de carbono realizados em 1988, afetando a leitura de datação.
“Acreditamos que é possível que as emissões de nêutrons geradas pelo terremoto tenham induzido a imagem nas fibras de linho do sudário, através da captura de nêutrons térmicos em núcleos de nitrogênio. Também poderia ter causado uma alteração dos níveis de carbono”, explica Alberto Carpinteri, um dos autores do estudo.
Não é a primeira vez que cientistas levantam a hipótese de que a radiação de nêutrons possa ter sido responsável pela imagem, mas essa seria a primeira explicação plausível para a radiação. No ano passado, Giulio Fanti e uma equipe da Universidade de Pádua, na Itália, realizou um teste que estabelecia a data do sudário entre 300 a.C a 400 d.C.
A nova pesquisa entusiasmou religiosos. Mark Antonacci, presidente da Resurrection of the Shroud Foundation [Fundação Sudário da Ressurreição] está pedindo ao papa Francisco que permita a análise molecular do tecido usando uma tecnologia mais recente. Essa investigação seria capaz de confirmar ou descartar as teorias da radiação.
Já Gordon Cook, professor de geoquímica ambiental da Universidade de Glasgow, na Escócia, não parece animado “As pessoas têm datado materiais dessa idade há décadas e ninguém nunca encontrou esse resultado”, afirmou ao site LiveScience.Gospel Prime

SOBRE O AUTOR

Rinaldo Ribeiro

Colunista & Editor

Mas vós sois a geração eleita, o sacerdócio real, a nação santa, o povo adquirido [...]" 1 Pedro 2:9a.

Postar um comentário

 
Geração Jovem - Site Oficial © 2017 - Vamos Mudar o Mundo. Todos os direitos Reservados - Fornecido por CC
PageRank