sexta-feira, 23 de agosto de 2013

Missionário é condenado a 15 anos de Trabalho Forçado na Coréia do Norte

COMPARTILHE
Missionário da JOCUM é condenado a 15 anos de trabalho forçado na Coreia do Norte acusado de tentar derrubar governo do país
Uma iniciativa missionária da entidade Youth With a Mission (YWAM, versão norte-americana da JOCUM) na Coreia do Norte terminou na condenação do operador de turismo Kenneth Bae a 15 anos de trabalho forçado.
Quando a sentença foi anunciada, o governo do país afirmou que o rapaz tentou “derrubar o governo”, mas não deu detalhes do crime cometido por Kenneth. Agora, de acordo com o site Gawker, os norte-coreanos informaram que o jovem contrabandeou propaganda anti-governo no país, e pregou a derrubada do regime, como parte de um plano missionário cristão chamado “Operação Jericó”.
O plano foi lançado em 2006 pela YWAM, e consistia na mobilização de 250 voluntários para uma infiltração na Coréia do Norte, perto da fronteira com a Coréia do Sul, a fim de criar uma “coalizão anti-governo”. Segundo as informações da investigação, os jovens basearam a sua operação em um hotel.
Entre os ditos “materiais de propaganda” contra o governo, estariam inclusas cópias do documentário “Don’t Tell My Mother I’m In North Korea”, (“Não diga a minha mãe que estou na Coreia do Norte”, em tradução livre), produzido pela da National Geographic. O filme mostra o repórter Diego Buñuel em visita à Coreia do Norte, além de um livro sobre a perseguição a cristãos no país.
A imprensa destaca que Kenneth Bae era sim voluntário da YWAM, mas que não há evidências de que ele estivesse usando sua agência de turismo para infiltrar missionários cristãos no país. O canal NKNews veiculou um vídeo antigo de um sermão do jovem afirmando que “sabia que Jesus queria que eu fosse um ‘canal’ para a Coreia do Norte”.
Em 2011, Kenneth Bae enviou uma carta para uma igreja coreana em St. Louis, falando sobre os planos evangelísticos da YWAM: “Pretendemos abrir uma nova base de mobilização missionária para a Coreia do Norte e assim as obras poderão ser realizadas a partir de um único local”.
O jornalista Adrian Chen explica que o fato de viabilizar a ida de missionários para o país não deveria ser motivo para uma pena tão dura. “A prática do cristianismo é praticamente proibida na Coréia do Norte, mas há uma comunidade de estrangeiros cristãos evangélicos que ali vivem, muitos deles trabalhando em organizações de ajuda humanitária”, disse Chen, que explica: “Eles têm que manter a sua religião de maneira discreta. Eles não estão autorizados a distribuir Bíblias e outros materiais, ou mesmo orar em público”.
Segundo o jornalista, “há grupos cristãos com objetivos anti regime mais explícitos”, entre eles, a Voz dos Mártires, que evangeliza através do envio balões com material religioso, transmissões de rádio com leituras bíblicas ao longo da fronteira, além de manter contato com igrejas subterrâneas por meio de missionários infiltrados no país. “Todd Nettleton, o diretor de desenvolvimento de mídia da Voz dos Mártires, me disse que o trabalho de seu grupo ataca diretamente o governo”, relatou Chen.


Fonte:   Gospel+ 
 Editado, Atualizado e  Revisado por:      Elson Elias - Colunista de Missões  - Geração Jovem '

0 comentários:

Postar um comentário

FALE CONOSCO

Nome E-mail * Mensagem *

Se Jesus voltasse hoje você subiria?