segunda-feira, 21 de dezembro de 2015

Quando Deus diz: “Não!”

COMPARTILHE
As revelações recebidas pelo apóstolo Paulo, sua experiência e vivência nas leis e teologia judaica, conhecimento comprovado da filosofia grega, cidadania de direito romana, os anos de apostolado com as verdadeiras marcas de Cristo, tudo isso poderia levá-lo a um pretenso orgulho ou mesmo auto firmação, porem ele é acometido de um “espinho na carne. (2 Cor. 12.2-9)

O Texto em palavras originais, carne no grego (kreas), é a palavra usual para se referir à substância física da qual o corpo é composto. A palavra "espinho" transmite a ideia de "uma seta de madeira pontuda", "uma estaca" ou "um estilhaço". Isso nos dá, pelo menos, uma noção do sofrimento que Paulo foi obrigado a suportar — uma dor que Deus não afastaria.

Esse relato ilustra o ponto de vista de que Deus muitas vezes não isenta seus filhos do sofrimento, mas Ele os conforta no sofrimento. Os filhos de Deus nunca estão sozinhos em suas provações. As Escrituras estão repletas de outros exemplos similares:

Deus não impediu que Agar fosse maltratada por Sarai, mas Ele estava com Agar em seu momento de sofrimento (Gênesis 16).

Deus não impede que José seja vendido como escravo e seja enviado ao Egito, mas Ele estava com José em suas circunstâncias injustas (Gênesis 27—50).

Deus não impediu que Moisés fosse maltratado pelos egípcios, mas Ele estava com Moisés em suas provações (Hebreus 11.24-27).

Deus não impediu que Davi fosse severamente perseguido por Saul, mas Ele o sustentou nessa perseguição e preservou sua vida (1 Samuel 19.1—26.25).

Deus não impediu que Daniel fosse lançado na cova dos leões, mas Ele estava com Daniel na naquele local (Daniel 6).

Deus não impediu que o apóstolo Paulo fosse preso, mas Ele estava com Paulo em sua experiência na prisão (Efésios 3.1; Filipenses 1.7; Cl 4.10).

Deus não impediu que o apóstolo João fosse exilado na ilha de Patmos, mas Ele estava com João no momento de seu exílio (Apocalipse 1.9,10).

Modele-se em Deus e em sua promessa; confie de maneira verdadeira nEle, e essa paz será sua (Filipenses 4.6,7).

Não esqueça que o próprio Jesus era "homem de dores, experimentado nos trabalhos" (Isaías 53.3).

Jesus sabe o tipo de dor que você está sentindo. Ele é nosso solidário sumo sacerdote (Hebreus 4.15).



Assim, Paulo disse: "Pelo que sinto prazer nas fraquezas, nas injúrias, nas necessidades, nas perseguições, nas angústias, por amor de Cristo. Porque, quando estou fraco, então, sou forte" (2 Co 12.10). Refere-se a um deleite constante nos caminhos de Deus, indiferente às circunstâncias externas da vida. Paulo, por meio de seu sofrimento, aprendeu tudo sobre a plena suficiência de Deus em relação a todas as coisas. Como Deus pretendia, o "espinho" criou em Paulo uma dependência que revela o poder de Cristo.
Deus faz o mesmo conosco em algumas ocasiões? Deus pode permitir que você e eu passemos por circunstâncias dolorosas com o único propósito de nos tornar dependentes de seu poder. Deus pode permitir que soframos para que sejamos humildes e, assim, seu poder se manifesta por meio de nossa fragilidade.
 Jovens ADA

0 comentários:

Postar um comentário

FALE CONOSCO

Nome E-mail * Mensagem *

Você se sente acolhido pela congregação que faz parte?